Procedimentos

Indicações para implante de Desfibrilador implantável

Diretrizes e recomendações do Departamento de Arritmia e Eletrofisiologia Clínica (DAEC) e Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial (DECA) da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) 

Participantes: Eduardo A. Sosa, Angelo A. V. de Paola, Martino Martinelli, Roberto Costa, João Pimenta, Adalberto Menezes Lorga, Ivan Gonçalves Maia, Cídio Halperin.

Introdução

O surgimento dos cardioversores- desfibriladores implantáveis (ICDs), com tecnologia sofisticada pela incorporação de funções cada vez mais complexas e a associação de mecanismos anti-bradicardia, obrigou a criação de novos critérios de identificação de tais dispositivos. Assim, foi criado o código NASPE/BPGE para desfibriladores implantáveis, recentemente aprovado pela Junta Curadora (Board of Trustees) da NASPE. A Tabela I resume este novo código.

Tabela I - Código NASPE/BPEG para desfibriladores

I II III IV
Local de Aplicação do choque Local de aplicação da Estimulação Anti-Taquicardia Forma de detecção da taquicardia Local de aplicação da estimulação anti-bradicardia

O = Nenhum

O = Nenhum E = Eletrograma O = Nenhum
A = Átrio A = Átrio H = Hemodinâmico A = Átrio
V = Ventrículo V = Ventrículo   V = Ventrículo
D = Duplo(A+V) D = Duplo(A+V)   D= Duplo(A+V)

Definições do Código

Posição-I:
Local de aplicação do choque.Esta posição serve para distinguir aparelhos com capacidade de aplicar o choque no Átrio (A), Ventrículo (V) ou nas Duas Câmaras (D). Utiliza-se a letra O (nenhum), se a função desfibrilação estiver desligada (OFF).

Posição-II:
Local de aplicação da estimulação anti-taquicardia. Não específica o protocolo da estimulação (burst, rampa, etc).Assim, utiliza-se O (nenhum), A (atrial), V (ventricular) e D (dupla-câmara), conforme a câmara estimulada e assume-se que seja de forma seqüencial (mecanismo anti-taquicardia seguido de choque, se necessário).

Posição-III:
Formas de detecção da taquicardia. Determina a forma de processamento de detecção do mecanismo anti-taquicardia: Eletrograma (E), ou Hemodinâmica (H), esta avaliada através das variações pressóricas ou da impedância transtóracica.

Posição-IV:
Local de aplicação da estimulação anti-bradicardia. A (atrial), V (ventricular) e D (dupla câmara) são utilizados conforme a câmara estimulada; O (nenhum) quando esta função é ausente. 

 

Utilização Prática

As posições I e II devem ser utilizadas em todos os casos, sendo suficientes para descrever os desfibriladores que não apresentam estimulação anti-bradicardia e detecção hemodinâmica, dispensando-se assim as posições III e IV.

A posição III deve ser utilizada sempre que a detecção hemodinâmica estiver presente.

As posições III e IV devem ser utilizadas sempre que a informação sobre a estimulação anti-bradicardia for importante.

 

Identificação resumida

Código NASPE/BPEG para Cardioversor/Desfibrilador implantável (ICD)

ICD-S = com capacidade de choque, apenas.

ICD-B = com estimulação anti-bradicardia, além do choque.

ICD-T = com estimulação anti-taquicardia, além do choque.

Opções de identificação de ICD (NASPE/BPEG)

Aparelho(ICD) Forma Resumida Forma não resumida Codificação
Para uso ventricular, sem estimulação ICD-S VO
VOE
VOEO
VOE - 0000
Para uso ventricular, com estimulação anti-bradicardiaVVIR ICD-B VO
VOE
VOEV
VOE-VVIR
Para uso ventricular, com estimulação anti-taquicardia em átrio e estimulação anti-bradicardia DDDC ICD-T VA
VAE
VAED
VAE-DDDC
Com cardioversão-desfibrilação ventricular, estimulação anti-taquicardia de dupla-câmara e estimulação anti-bradicardia DDDR  ICD-T VD
VDE
VDED
VDE-DDDR
Para uso atrial, com cardioversão, estimulação anti-taquicardia e estimulação anti-bradicardia AAIC  ICD-T AA
AAE
AAEA
AAE-AAIC
Com cardioversão/desfibrilação ventricular, conversão de FA, detecção hemodinâmica e estimulação anti-bradicardia VVIR ICD-S DOH
DOHV
DOH-VVIR
Com cardioversão/desfibrilação ventricular, conversão de FA, estimulação anti-taquicardia de dupla câmara e estimulação anti-bradicardia DDD com telemetria. ICD-T DD
DDE
DDED
DDE-DDDC
Com cardioversão/desfibrilação ventricular, captação hemodinâmica, estimulação anti-taquicardia de dupla câmara e estimulação anti-bradicardia DDDR ICD-T DDH
DDHD
DDH-DDDR

 

Indicações

Classe I

A - Um ou mais episódios documentados de TVRH (taquicardia ventricular com repercussão hemodinâmica)/FV (fibrilação ventricular), nos pacientes em que o Holter e o EEF não podem estabelecer eficácia terapêutica preditiva.

B - Um ou mais episódios documentados de TVRH/FV, em pacientes nos quais o tratamento medicamentoso não é efetivo ou não é tolerado.

C - Indutibilidade persistente ao EEF de TVRH/FV, apesar de tratamento medicamentoso e/ou ablação por cirurgia/cateter.


Classe II

A - Um ou mais episódios de TVRH/FV nos pacientes em que a eficácia terapêutica com fármacos é possível.

B - Síncope recorrente de etiologia indeterminada, em pacientes com TVRH/FV induzidas ao EEF nos quais o tratamento medicamentoso não é efetivo ou tolerado.


Classe III

A - Síncope recorrente de etiologia indeterminada, em pacientes nos quais não se induz taquiarritmias.

B - Arritmias não relacionadas à TVRH/FV.

 

Voltar