• Prêmio Abril seleciona o Cardiômetro da Sociedade Brasileira de Cardiologia como finalista na categoria Prevenção

      Até dezembro deste ano o contador deve chegar próximo a 400 mil mortes por doenças cardiovasculares

      O Cardiômetro (www.cardiometro.com.br), ferramenta de alerta da Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC que registra, momento a momento, qual o número de mortes causadas por doenças do coração, é finalista do Prêmio Abril de Inovação Médica, com curadoria da revista Saúde, na categoria Prevenção. A escolha do vencedor será feita por um júri técnico, mas está aberta também uma votação popular no http://premiodeinovacaomedica.com.br/votacao-popular/.

      O anúncio dos vencedores será em 05 de dezembro às 19 horas, em São Paulo. Os dados do Cardiômetro fundamentam debates para que especialistas encontrem estratégias para melhorar a prevenção cardiovascular e governos possam estruturar melhores investimentos em saúde. “Eles servem também para sensibilizar a população sobre a importância de prevenir as doenças cardiovasculares evitando os fatores de risco para o coração”, lembra o presidente da SBC, Oscar Dutra.

      Os dados publicados no Cardiômetro são atualizados com base em um programa de previsão estatística com a metodologia desenvolvida e amparada por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais. O Cardiômetro foi inaugurado, em 2015, pelo atual coordenador Marcus Bolívar Malachias, que idealizou o projeto juntamente com a cardiologista Gláucia Moraes de Oliveira.

      A mais recente projeção estima que, até 31 de dezembro, o Brasil deve registrar 396.478 mortes pelas doenças cardiovasculares, principal causa de óbitos no país. Em 2016, foram 362.091 mortes por doenças cardiovasculares e, em 2015, foram 349.584. A SBC também estimou o número de mortes para 2017 em 383.961. “Os números talvez possam ser um pouco maiores, já que sempre fazemos o cálculo de forma conservadora. Em dois anos, as mortes por doenças cardiovasculares cresceram quase 10%, o que é muito”, destaca Marcus Bolívar Malachias.

      As doenças cardiovasculares representam 29% dos óbitos no Brasil e, somente em um único dia são responsáveis por 1.086 mortes, segundo os cálculos do Cardiômetro. São 45 mortes a cada hora. As doenças do coração matam duas vezes mais que todos os tipos de câncer, 2,5 vezes mais que os acidentes e mortes decorrentes da violência e 6 vezes mais que as infecções, incluídas as mortes por Aids. Em 10 anos, no período de 2007 a 2016, foram responsáveis por 3.331.847 óbitos.

       

      Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia

      Atualizado em: 19/10/2018